ESTUDO “HERO-ERA” SOBRE SECTOR DOS HISTÓRICOS

A HERO-ERA é uma organização britânica que se dedica sobretudo à realização de ralis históricos de endurance e longa distância. Entre esses conta-se, por exemplo, o Londres-Lisboa, o Le Jog,  Classic Marathon, o Pequim-Paris entre outros.

No sentido de defender o movimento dos automóveis históricos e à semelhança do que a FIVA está a realizar a uma escala europeia, a HERO encomendou um estudo largado que permite medir o impacto sócio-económico das actividades relacionadas com os veículos antigos e relacioná-la com o impacto ambiental.

O estudo começa por aferir, por aproximação estatística, o valor do parque de veículos clássicos do Reino Unido, que ultrapassa os 12,6 mil milhões de libras (14 mil milhões de euros). Desses, 8,700 milhões são compostos por automóveis, cujo valor médio é de 5.400 libras (cerca de 6000€), mostrando que este não é um hobby reservado aos mais abastados.

No total, o Reino Unido conta com 1,54 milhões de veículos históricos registados, havendo adicionalmente cerca de 1,47 milhões não registados como históricos mas elegíveis para obter o estatuto.

O Estudo aborda o impacto no emprego e geração de riqueza, concluindo que o sector gera anualmente um volume de negócios na ordem dos 18 mil milhões de libras e assegura 113.000 empregos, sendo que desses, 27.783 são altamente especializados nas áreas do restauro e manutenção e, por isso mesmo, com níveis de remuneração bem acima da média. Segundo a HERA-ERO, como curiosidade, o sector de negócio dos veículos históricos tem sensivelmente o dobro da dimensão do sector do whisky escocês.

Por cada libra gerada em volume de negócios no sector dos históricos, são geradas 1,22 libras adicionais da cadeia de fornecimento e serviços associados.

O estuda realça também a multiplicidade de profissões associadas ao sector, desde o restauro, manutenção, venda, investigação, jornalismo, organização de eventos, segurança, seguros, armazenamento, acessórios, marketing e merchandising.

Espera-se em 2021 a divulgação dos resultados do estudo alargado da FIVA, cuja fase de consulta pública terminou a 15 de Dezembro.