O QUE GASTAR NUM VEÍCULO HISTÓRICO?

Se tem um mínimo de paixão por automóveis antigos e motivação para adquirir um, a primeira pergunta que se colocará é: quanto posso gastar e quanto estou disposto a gastar?

Despesa ou investimento?
Note-se que a expressão “gastar” não é usada por acaso. Sim, um automóvel antigo pode representar um investimento, mas essa não é a faceta que mais encanta um entusiasta, além de haver uma grande incerteza quanto à valorização do seu investimento. As variáveis são mais do que muitas e até os profissionais, têm dificuldade em antecipar o futuro.
Caso o seu objectivo passe efectivamente pelo investimento, aconselhe-se, leia muito e tome decisões sensatas. Tome em conta que, para que o eventual lucro supere os custos de conservação e manutenção, é necessário que o veículo tenha um valor considerável.
O que importa saber é que, se comprar bem, um automóvel antigo dificilmente perde valor, independentemente da sua cotação. É um património pessoal e familiar estável, com riscos reduzidos. E mesmo que não se confirme como um investimento no sentido mais estrito, será sempre um investimento em bons momentos, memórias e em novas amizades.

Porque está a comprar?
O valor a pagar pelo seu veículo histórico depende muito do propósito e do uso que lhe vai dar. Se pretende um uso muito esporádico, talvez possa arriscar num veículo mais antigo, eventualmente mais dispendioso ou difícil de manter. Mas se pretende usar com frequência e até com mais liberdade, um modelo dos anos 70 em diante, proporciona mais conforto, mais facilidade de manutenção e componentes habitualmente mais baratos.
Se o seu objectivo é participar em provas de regularidade ou track-days, é especialmente importante escolher um automóvel robusto e para o qual seja fácil encontrar peças e até “upgrades”.

Quando pretende usar?
Se pretende adquirir um veículo antigo, fazer uma revisão e começar logo a desfrutar, é conveniente que o exemplar esteja em muito boas condições mecânicas e com interior e carroçaria razoáveis. É preferível pagar um pouco mais se isso garantir que o modelo está pronto a usufruir
Se, por outro lado, está disposto a “pôr as mãos na massa” e a proceder a algumas melhorias necessárias, essa pode ser uma forma de conseguir um exemplar com um preço mais razoável que compense gastos posteriores. Mas cuidado com as surpresas e as “derrapagens”…

E se começar do zero?
É possível comprar um veículo histórico com potencial, por um preço meramente simbólico e muito, muito abaixo da cotação média, mas tenha em conta que um bom restauro pode muitas vezes superar o valor do modelo. Se só a perfeição o satisfaz, este é o caminho que deve seguir, mas não o faça sem estar bem aconselhado. Além disso, esteja preparado para “sofrer” antes de concretizar o seu sonho de começar a passear com a sua máquina. Por vezes os restauros podem demorar vários anos e podem sofrer vários percalços. Dito isto, não há nada mais belo do que ver a “obra” nascer…

Os “extras”…
É importante, antes de mergulhar neste mundo, que há outra despesas para lá da compra do veículo. Por um lado os seguros são acessíveis, é possível ficar isento de IUC e a certificação dispensa a despesa anual da IPO (inspecção periódica obrigatória). Por outro, convém nunca deixar de contabilizar a necessidade de parqueamento ou as normais despesas de manutenção, que variam com a intensidade da utilização.

No final, o que importa saber de antemão, é que uma compra sensata é a porta para um mundo de prazer, de novas amizades e aventuras.