FIAT 124, UM AUTOMÓVEL GLOBAL

A recente colaboração iniciada entre o CPAA e a SIC, para o programa Volante SIC, iniciou-se com o FIAT 124 e, a propósito deste primeiro episódio, aproveitamos para fazer a devida homenagem ao modelo que, este ano completa 55 anos e cuja importância global é desconhecida de muitos.

Apresentado em em 1966, o 124 apresentava linhas geométricas que não eram do agrado de muitos, mas que, por isso mesmo, permitiam níveis de habitabilidade e espaço de carga invejáveis, além de um custo de produção mais baixo do que exigiam formas mais curvilíneas.

Contudo, por baixo da aparência pouco espectacular, estava um automóvel muito moderno para a época. A transmissão era clássica, com motor longitudinal à frente e tracção atrás, mas tudo o resto era bastante actual: travões de disco às quatro rodas, eixo traseiro com molas helicoidais e amortecedores telescópicos e barra Panhard e suspensão dianteira independente. Além disso, o 124 tinha já zonas de deformação programada para diminuir os risco em caso de impactos frontais.

Na sua derradeira e mais sofisticada versão, o Special T, recebeu ainda um motor de dupla árvores de cames à cabeça, primeiro com 1400cc e depois 1600cc, comandado, em opção, por uma caixa de cinco velocidades.

Pelas suas qualidades, o 124 venceu o Troféu Carro Europeu do Ano em 1966, relegando para o segundo lugar o BMW 1600. No entanto, o seu imenso suscesso fez-se, em grande parte, fora da Europa.

O então Presidente da FIAT Gianni Agnelli envolveu-se pessoalmente no estabelecimento de um acordo com o Governo da União Soviética, com vista à produção do FIAT 124 naquele país, com a empresa italiana a envolver-se directamente na instalação de uma capacidade produtiva robusta, que viria a permitir alguma democratização do automóvel naquela região do globo. A fábrica AvtoVAZ, produziria  o 124 sob a marca LADA, mas também com os nomes VAZ e Volga, atingindo os 15 milhões de exemplares.

Simultaneamente, na Bulgaria, o 124 era produzido sob a marca Pirin-Fiat, na Turquia como Tofaş, na Coreia como FIAT-KIA e no Egipto como LADA-Egipt.

Em Espanha seria a SEAT a produzir, primeiramente o 124 e depois o 1430, que era uma versão aprimorada e exclusiva do mercado espanhol.