SALÃO DE PARIS: 122 ANOS DE HISTÓRIA

O primeiro salão automóvel aconteceu há 122 anos.

Foi por iniciativa do Automobile Club de France que a primeira exposição internacional de automóveis ocorreu em 1898, no terraço do Jardim das Tulherias.

140.000 visitantes admiram os modelos dos 232 expositores que passaram com sucesso o teste duma viagem de ida e volta Paris-Versalhes. O automóvel já despertava o entusiasmo geral, que continuou a crescer, sobretudo a partir de 1901, quando o Salão obteve autorização para ser realizado no Grand Palais, ao longo ddo Campos Elísios e num cenário digno do prestígio desta indústria. O automóvel iria, em poucos anos, modificar profundamente a humanidade e acelerar o progresso.

Em 1900, a realização da Exposição Universal levou ao cancelamento do Salão, mas a corrida pela potência estava lançada: o motor de Dion passou de 1,75 CV para 3 CV.

O Salão de 1902 foi também o da iluminação elétrica: 230.000 visitantes acompanharam o espectáculo de imagens e luz, com a presença do cinematógrafo Gaumont. Marcaram presença as principais marcas estrangeiras.

A partir de então o salão torna-se uma instituição onde são apresentadas as novidades, nomeadamente com a generalização dos quatro cilindros, e o aparecimento dos primeiros amortecedores.

A partir de 1904, o Grand Palais passa a ser demasiado pequeno. Os camiões passam da Cours la Reine para as estufas da cidade de Paris. Ao longo destas exposições de prestígio, a silhueta dos automóveis distingue-se cada vez mais da das carruagens puxadas por cavalos, nas quais se inspiraram nos seus primeiros anos.

Se o Salão foi interrompido durante a Primeira Guerra Mundial, o automóvel participou em grande parte da vitória: lembramos os famosos “táxis do Marne”, e os tanques Renault e Saint-Chamond que contribuíram para romper a frente alemã em 1918.

Em 1919, pela primeira vez, a exposição recebeu o nome de “Salon de l’Auto”. Era a primeira edição em que os fabricantes se apresentavam com uma dinâmica industrial.
André Citroën apresentou o “tipo A”, o primeiro carro “europeu democrático” (construído em série a 100 unidades por dia).

A efervescência dos loucos anos 20 não poupou o mundo automóvel, e os salões, onde o grandioso conviveu com a ousadia, sucederam-se até 1939 com duas interrupções em 1920 e 1925, sendo o Grand Palais ocupado pela exposição de artes decorativas.

No Salão de 1921, a Citroën apresentou seu 5 CV. A partir de 1923, o Salão abriu na primeira quinta-feira de outubro, e essa tradição mantém-se.
A edição de 1926 é marcada pela forte presença dos motores de 6 cilindros, onde se nota a influência americana.

Com a década de 1930, as carroçarias diminuíram e a tracção dianteira eliminou as peças de transmissão mais pesadas. Mas a crise estimula a indústria automobilística a racionalizar a sua produção e a iniciar mudanças para o consumo de massa, enquanto desaparecem certos fabricantes de luxo, os mais frágeis (Ariès, Brasier, Charron, De Dion-Bouton, etc.).

No entanto, o Salão de 1932 foi um festival de 8 CV (Citroën “Rosalie”, Peugeot 301, Renault “Mona Quatre”) e um verdadeiro concurso de carroçadores. O de 1934 foi marcado pelo surgimento do Citroën Traction Avant , o primeiro carro francês com carroçaria monobloco, que seria construído por 23 anos.

Apesar das incertezas internas e externas (a Frente Popular, a guerra em Espanha), o certame de 1936 foi um grande sucesso com a apresentação do Peugeot 302, do Fiat 500 “Topolino” e do Panhard “Dynamic”. No entanto, a guerra novamente interrompeu a série de Salões, relegando os projectos para um tempo distante de paz.

Em 1946, o Salão voltou ao Grand Palais. Seu comissário geral, Mr. Mautin declara: “Cheguei pelo Cours la Reine na manhã da inauguração e vi uma multidão em várias filas que se estendia do portão de honra até ao Sena. Estávamos tão privados de automóveis que este evento era uma necessidade. Sem isso, a vida não voltaria a Paris.” Foram 809.000 visitantes (o dobro do período pré-guerra) para admirar o Dyna Panhard e o Renault 4 CV, que se tornou o símbolo da recuperação francesa, sinal do desejo de acesso ao automóvel pelas gerações pós-guerra.

1948 foi o ano do Peugeot 203, 1949 o do Citroën 2 CV (“quatro rodas sob um guarda-chuva”). A partir de 1949, a produção superou o nível de 1939. Nos anos seguintes, a indústria automobilística deu origem a novidades consideráveis, notadamente em 1955 com o DS 19, o Ford “Continental” e o Peugeot 403 (o primeiro motor diesel de carro francês produzido em massa), com o Renault Dauphine (1956), o Lloyd Alexander TS, o Austin A 40 “Sprite” (1958) e o Vespa 400.

A cada ano, o Salão é caracterizado por uma ideia orientadora. Depois do tema do novo código da estrada, aumento da potência, melhorias na segurança e na travagem, 1957 é o Sahara que inspira muitos fabricantes de camiões.

O Salão de 1962 mudou de cenário passando para Porte de Versailles. Paralelamente a esta considerável ampliação (100.000 m² de stands), mudou também o seu desenho geral, com o peso da Europa a impor-se, e a primeira exposição de usados, caravanas, bicicletas, motos e equipamentos.

Os anos sessenta apresentam o Peugeot 404 Station Wagon, o Opel Rekord (1960), o Renault 8, o BMW 1500 (1962), o Porsche 901 (1963), o Rover 2000, o Chrysler “Barracuda”, o luxuoso DS Pallas, a carrinha Ami 6 (1964) e o Citroën Dyane (1967). O Salão do Automóvel é agora o “Show do Cliente”, e o slogan inventado pela Fiat em 1969 – “os tempos mudam, os carros também” – tornou-se um verdadeiro lema.

A austeridade das exposições dos anos 70, num clima de crise económica e social, reflectem este princípio. No entanto, o aparecimento do Citroën CX, o Volkswagen Golf e o Fiat 131 (1974), o Ford Fiesta, o Citroën LN e o Audi 100 (1976) comandam a admiração de cada vez mais visitantes mais numerosos.

Em 1976, foi tomada a decisão de tornar o Salão bienal. A maioria dos fabricantes descobriu que a proliferação de exposições estava a tornar-se excessiva. Alternando com o de Frankfurt, o Salão Automóvel de Paris, ao ritmo dos anos pares, reúne automóveis de passageiros e veículos industriais, enquanto o Salão de Bicicletas e Motos é realizado em anos ímpares no mesmo local.

Em 1988, o Salão assumiu o nome de “Mondial de l’Automobile”. Se o número de construtores diminuiu como resultado da concentração num pequeno número de grandes empresas industriais, o número de expositores aumentou constantemente: de 232 em 1898, chegou a mil. O terraço do Jardim das Tulherias recebeu 140.000 visitantes em 1898, mais de um milhão lotaram o Grand Palais em 1954  e em 1994, a Porte de Versailles recebeu 1.027.666 pessoas.

Os Salões dos anos 90 são organizados em torno de temas específicos. A edição de 1990 organiza um “espaço jovem” para informações sobre carreiras em transporte e logística. A de 1992 (“Des Autos et des hommes”) dedica um espaço aos veículos todo-o-terreno, bem como aos automóveis antigos. A edição de 1994 (“On n’arrete pas un rêve qui marche”) apresenta carros de cinema e a história do automobilismo. A caminho de um sonho sem fim, estas exposições são constantemente enriquecidas e inovadas a cada edição: são sempre mais internacionais, com condições também melhoradas, nomeadamente a utilização cada vez mais imponente do audiovisual.

Desde o início, o Salão teve um papel fundamental em termos de conhecimento e promoção da indústria automóvel. Durante décadas, as pessoas visitavam o salão para escolher e comprar o seu próximo automóvel e o número de pedidos recebidos na primeira quinzena de Outubro representava uma percentagem significativa das vendas anuais das marcas. Depois de ter sido um luxo reservado a um pequeno número de privilegiados, o automóvel tornou-se acessível a camadas cada vez mais extensas da população.

Hoje, esta exposição tem uma dupla vocação. Não é apenas uma enorme vitrine onde o público pode admirar modelos  em todo o mundo, mas também um ponto de encontro de profissionais de todos os ramos da indústria e comércio automóvel.

Desde 1898, muitos outros salões surgiram, mas o primeiro de todos ainda hoje ocupa um lugar de destaque internacional. Muitos fabricantes continuam a optar por apresentar os seus novos modelos em Paris, que foi por muito tempo a capital do automóvel. Antes de 1914, a França ocupava o primeiro lugar pelo volume e pela qualidade de suas produções..

Embora o Salão Automóvel tenha deixado de ser a festa  que era no início do século, o Salão Automóvel de Paris continua a ser uma festa: a de uma invenção que se aperfeiçoa constantemente há 100 anos e que responde eficazmente às necessidades do maior número de pessoas todos os dias.